Indicadores

Equipe de vendas de alto desempenho

O atual cenário econômico brasileiro ainda é de muita incerteza. A demanda por serviços e produtos é baixa em muitos mercados e, ao mesmo tempo, a competitividade entre as empresas se acirra cada vez mais. Para conseguir se destacar nesse contexto, é fundamental contar com um time forte e focado nos resultados.
Ter uma equipe de vendas de alto desempenho e focada nos resultados não é uma tarefa simples e exige bastante dos proprietários ou diretores da empresa. Neste post, vamos apresentar os 5 passos essenciais para que essa seja a realidade da sua empresa. Confira!
Invista no treinamento da equipe de vendas
O primeiro passo para ter um alto desempenho nas vendas é contar com um time altamente qualificado e dedicado ao trabalho. Para isso, é essencial que os donos ou diretores de empresas invistam na equipe de vendas, proporcionando treinamentos de capacitação e realizando palestras de disseminação de cultura.
Funcionários treinados e capacitados conseguem atender melhor às expectativas dos clientes e fechar negócios com maior eficiência, potencializando as vendas e alavancando os lucros da empresa.
Estipule metas a serem alcançadas
Uma maneira simples de aumentar as vendas da empresa é por meio da estipulação de metas a serem alcançadas, tanto da equipe como um todo quanto metas individuais. Ter esses objetivos claros é uma fonte de motivação, o que impulsiona o rendimento da empresa.
Crie métricas e implemente indicadores
Utilizar KPIs (Key Performance Indicators ou indicadores-chave de mercado, em português) é a melhor forma de monitorar e acompanhar o desempenho de uma equipe de vendas. Por meio desses indicadores é possível comparar o rendimento dos funcionários com meses anteriores, além de essa ser a melhor forma de mensurar os resultados e verificar se as metas previamente estipuladas foram alcançadas ou não.
Vale mencionar também que a introdução de indicadores possibilita a criação de relatórios e painéis de vendas, que ajudam a detectar gargalos e o que pode ser melhorado e levantar os pontos fortes da equipe. Todos esses dados contribuem para que a empresa alcance melhor desempenho.
Desenvolva um sistema de recompensas para os funcionários
É fundamental que o gestor reconheça o esforço e os resultados dos vendedores. Criar um sistema que recompense os funcionários é outra maneira de motivá-los e, com isso, aumentar o desempenho de vendas.
As recompensas podem ser dadas de diversas maneiras. Podem ser almoços, brindes e prêmios, viagens e até mesmo carros ou motos. Deve-se criar um sistema de premiações com diversos níveis, fazendo com que o vendedor busque ser sempre melhor, aumentando as vendas e os resultados da empresa.
Implemente um software de vendas
Por último, para ter uma equipe de vendas de alto desempenho é fundamental que a empresa utilize um software de gestão eficiente. Esse tipo de ferramenta permite acompanhar diversas informações. Aliar o uso de um software com o uso de KPIs possibilita um aumento considerável das vendas e dos lucros.
Sage

Inflação do aluguel avança 0,74% na 1ª prévia de março, informou a FGV

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) subiu 0,74% na primeira prévia de março, ante avanço de 0,09% na primeira prévia do mesmo índice em fevereiro, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV), nesta terça-feira, 10. A taxa ficou levemente acima do intervalo das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo AE Projeções, que esperavam taxa entre +0,45% e +0,73%, com mediana das expectativas em 0,62%. No dado fechado do mês passado, o IGP-M subiu 0,27%.
A FGV informou ainda os resultados dos três indicadores que compõem o IGP-M. O IPA-M ((Índice de Preços por Atacado – Mercado), que subiu 0,79%, em comparação à queda de 0,34% na primeira prévia de fevereiro. O IPC-M (Índice de Preços ao Consumidor – Mercado), que corresponde à inflação no varejo e que apresentou alta de 0,88% na leitura anunciada hoje, após subir 0,97% no mês passado. E o INCC-M (Índice Nacional do Custo da Construção – Mercado), que mensura o custo da construção e que teve elevação de 0,20%, após registrar aumento de 0,67%, na mesma base de comparação.
O IGP-M é muito usado para reajuste no preço do aluguel. Até a primeira prévia de março, o índice acumula alta de 1,79% no ano e de 2,92% em 12 meses. O período de coleta de preços para cálculo do índice foi de 21 a 28 de fevereiro.
Economia

Inflação desacelera em novembro: serviços sobem 0,50% e produtos 0,39%

A inflação sobre produtos e serviços em novembro desacelerou na região metropolitana de São Paulo, em comparação a outubro. De acordo com os indicadores da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), o Índice de Preços do Varejo (IPV) aumentou 0,39% e o Índice de Preços de Serviços (IPS) subiu 0,50%. O Custo de Vida por Classe Social (CVCS), que analisa o conjunto de preços de serviços e produtos, apresentou alta de 0,45%, menor que a de 0,72% apresentada em outubro.

Segundo a FecomercioSP, no mês de outubro nenhum item do CVCS havia tido variação negativa, o que contribuiu para o cenário de altas disseminadas. Em novembro, o item Artigos para o Lar teve diminuição de 0,61%. As altas mais significativas no mês, em comparação a outubro, foram concentradas nos grupos de Alimentação e Bebidas (+0,81%), Saúde e Cuidados Pessoais (+0,61%) e Habitação (+0,47%). Na avaliação por faixa de renda, a maior alta foi sentida pela classe D – com rendimento entre R$ 976,59 a R$ 1.464,88 – com impacto de 0,51%. Analisando o acumulado em 12 meses, a inflação sobre produtos e serviços está em 5,71%.

Entre os serviços, os maiores aumentos em relação a outubro foram observados nos grupos de Saúde e Cuidados Pessoais (+0,87%) e Alimentos e Bebidas (+0,76%). O item com a maior alta no mês foram as passagens aéreas (+6,48%). A análise por faixa de renda mostra que as famílias mais impactadas foram as da classe D, com alta de 0,73% em novembro. Nos últimos 12 meses, a inflação sobre serviços foi de 5,44%.

Na avaliação de produtos, os grupos com as maiores altas em novembro foram Alimentação e Bebidas (+0,83%), Despesas Pessoais (+0,76%) e Vestuário (+0,56%). O aumento mais significativo foi constatado no preço dos tapetes (+9,68%). A classe social mais afetada foi a B – com renda entre R$ 7.324,34 a R$ 12.207,23 -, com aumento de 0,45%. Em 12 meses, a inflação sobre produtos foi de 5,96%.

Metodologia

O Custo de Vida por Classe Social (CVCS), formado pelo Índice de Preços de Serviços (IPS) e Índice de Preços do Varejo (IPV), utiliza informações da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do IBGE e contemplam as cinco faixas de renda familiar (A, B, C, D e E) para avaliar os pesos e os efeitos da alta de preços na região metropolitana de São Paulo em 247 itens de consumo. A estrutura de ponderação é fixa e baseada na participação dos itens de consumo obtida pela POF de 2008/2009 para cada grupo de renda e para a média geral. O IPS avalia 66 itens de serviços e o IPV, 181 produtos de consumo.

As faixas de renda variam de acordo com os ganhos familiares: até R$ 976,58 (E); de R$ 976,59 a R$ 1.464,87 (D); de R$ 1.464,88 a R$ 7.324,33 (C); de R$ 7.324,34 a R$ 12.207,23 (B); e acima de R$ 12.207,24 (A). Esses valores foram atualizados pelo IPCA de janeiro de 2012. Para cada uma das cinco faixas de renda acompanhadas, os indicadores de preços resultam da soma das variações de preço de cada item, ponderadas de acordo com a participação desses produtos e serviços sobre o orçamento familiar.

Fonte: http://www.incorporativa.com.br/mostranews.php?id=11083

Revista Incorporativa