Empreendedor

Negócio próprio: conheça as maiores dificuldades de quem possui

Ao optar por abrir seu próprio negócio, um empreendedor vê a sua vida passar por uma grande mudança. Ele sai da segurança de um emprego diretamente para a responsabilidade de comandar a sua empresa. Para as pessoas que sonham em voar com suas próprias asas, ter seus negócios próprios é uma realização. Entretanto, existem algumas dificuldades que passam a fazer parte da rotina de quem decide empreender. É exatamente sobre elas que irei falar neste artigo.
Manter a Disciplina
Quando você diz para alguém que tem uma empresa, grande parte das pessoas logo pensa que sua vida é incrível, que por não ter horários fixos, como de um emprego convencional, você pode ir para casa cochilar ou ficar vendo TV sempre que quiser. Quem já é dono do seu negócio, obviamente, sabe que isso não passa nem perto da realidade. Não ter um chefe que te impõe horários e delega trabalhos não significa não ter tarefas para fazer.
Se um empreendedor for agir como essas pessoas pensam que é a sua vida, sua empresa nunca irá sair do lugar. Por mais que possa parecer tentador poder sair a qualquer hora sem dar satisfações, é necessário haver disciplina para o trabalho. O segredo é se planejar e organizar todos os horários, tanto de trabalho quanto de lazer, assim dá para fazer tudo sem prejudicar o andamento dos negócios.
Administrar o Capital
Conseguir capital para abrir ou investir em um negócio pode não ser uma tarefa das mais fáceis. É importante se planejar financeiramente para conseguir reunir todo o dinheiro necessário para a empresa começar a funcionar, talvez buscar um fundo de investimentos. Independente da origem do capital, o empreendedor deve estabelecer as suas prioridades para realizar uma gestão financeira eficaz.
Uma empresa não precisa apenas de dinheiro para ser criada, mas também de capital de giro para cobrir as despesas de seu funcionamento até que comece a dar lucros, o que costuma demorar alguns meses. Por isso, planeje-se para administrar o capital do seu negócio mantendo o foco nas prioridades.
Contratar as Pessoas Certas
As pequenas empresas precisam construir uma equipe forte e a pessoa certa para esse tipo de negócio pode não ser a mesma pessoa certa para uma empresa de maior porte. Em uma pequena empresa, os funcionários podem passar por situações novas e diferentes a cada dia. Por isso, é importante que eles se sintam confortáveis com o clima de incerteza e sejam flexíveis para se adaptar às mudanças que podem vir a acontecer.
Ao realizar um processo de seleção para novos colaboradores, procure pensar de forma diferente dos recrutadores de uma grande empresa, pois os métodos tradicionais podem não ser a abordagem mais indicada. É importante que o candidato esteja pronto para desafios e acredite no futuro do negócio.
Conciliar o Lazer Com o Trabalho
Um dos maiores desafios para os novos empreendedores é controlar o tempo, muitos acabam focando apenas na empresa, deixando o lazer de lado. Por mais que um negócio no início precise de um pouco mais de dedicação, é muito importante dedicar um tempo ao lazer, à família e aos amigos. Além de ser benéfico para a saúde do empreendedor, isso também é positivo para o negócio, já que ele voltará ao trabalho revigorado.
Para conseguir ter tempo para tudo, um bom planejamento faz toda a diferença. Tenha uma agenda, seja ela de papel ou um aplicativo no computador ou celular, e nela registre todos os compromissos, priorizando os mais importantes. Dessa forma fica mais fácil conseguir se dedicar aos negócios sem prejudicar a sua vida pessoal e vice-versa.
Conhecer o Seu Público-alvo
Um erro bastante comum cometido pelos donos de pequenos negócios é começar sem ter um profundo conhecimento a respeito do seu público-alvo. Se você quer vender seus produtos ou serviços, é fundamental conhecer quem serão os seus clientes em potencial, a fim de se direcionar a eles na hora de desenvolver o seu produto, divulgá-lo, enfim, durante todo o processo.
O ideal é pesquisar o máximo de informações possíveis antes de abrir sua empresa, porém, se você já abriu, nunca é tarde para começar a fazer a coisa certa. Realize pesquisas de satisfação com seus atuais clientes e pense, também, naquele que pode ser o seu nicho. Ou seja, um segmento que tenha ligação com o seu, mas que seja pouco explorado, essa pode ser uma oportunidade incrível para você fazer ótimos negócios.
As Maiores Dificuldades do Empreendedor Brasileiro
Depois de saber um pouco mais sobre as dificuldades de empreender em um âmbito geral, é hora de conhecer os desafios dos empreendedores brasileiros.
Impostos: A carga tributária para empresas no Brasil é bastante alta, além de ser complexa, pois existem tributos exclusivos apenas ao estado. Por isso, é muito importante contar com o suporte de profissionais capacitados para te ajudar nesta missão.
Burocracia: A burocracia a ser enfrentada pelo empreendedor é outra dificuldade. São muitos papéis que precisam ser apresentados, guias, registros, etc. Aqui também faz toda a diferença contar com o suporte de um profissional experiente.
Logística: Quem trabalha com a venda e distribuição de produtos para além da sua cidade, poderá ter dificuldades de logística por se tratar de um país com dimensões continentais. Nesse caso é ideal estudar todas as possibilidades a fim de fechar negócios com regiões que realmente sejam viáveis.
Administradores

Confira oito orientações para quem deseja abrir um negócio

Quem pensa em abrir um negócio tem uma decisão de grande responsabilidade em suas mãos. É indispensável passar por uma série de processos que exigem muita atenção, principalmente no que diz respeito aos detalhes mais técnicos.
Alguns pontos, como a elaboração do contrato social, a escolha do tipo de tributação da empresa, a escolha do imóvel, obtenção de alvará, surgem com destaque entre as principais necessidades. Confira estes e outros tópicos essenciais para quem deseja abrir seu próprio negócio , de acordo com o diretor executivo da Confirp Contabilidade, Richard Domingos:
1) Planejamento
Um dos grandes problemas encontrados na maioria das empresas é que a abertura delas acontece de forma impulsivsa, o que acaba acarretando na falta de um plano de negócio estabelecido, público alvo e estrutura necessária. Dessa forma, antes de qualquer coisa, é necessário parar para pensar, ver o que se pretende e como de que forma este objetivo será atingido.
Em diversas ocasiões, após essa primeira análise, percebe-se a necessidade de uma capacitação. Atualmente, é possível que o empreendedor encontre formas de melhorar suas habilidades de maneira muito simples, pois existe uma grande quantidade de cursos para empreendedores, muito desses gratuitos. Também é essencial pesquisar como está o mercado em que pretende atuar, para ver em qual nicho de público se encaixará.
2) Cálculo de custos para começar a funcionar
Para colocar uma empresa para funcionar, é necessário ter em mente que haverá custos que vão além dos que já se conhece no dia a dia de uma empresa com infraestrutura e pessoal. Dentre esses os principais são as taxas da junta comercial e da emissão do alvará, dentre outras que variam de acordo com a localidade e o ramo de atuação.
Algumas empresas disponibilizam profissionais especializados na solução de burocracias. A Confirp, por exemplo, possui uma área que apenas voltada exclusivamente para isso, com a intenção de evitar ao cliente qualquer ‘dor de cabeça’ relacionada ao tema.
3) Elaboração do contrato social
Outro dos pontos primordiais que todo empreendedor deve pensar com cuidado ao iniciar o processo de abertura de sua empresa é a elaboração de um contrato social. Este documento vai esclarecer todos as questões práticas relacionadas ao funcionamento da companhia.
Entre os tópicos que devem receber atenção dentro do contrato social estão o nome da empresa, o endereço, as atividades, o capital social – que diz respeito aos valores ou bens investidos –, a relação entre os sócios e como é feita a divisão dos lucros.
É importante deixar claro que, caso haja qualquer alteração no contrato, é necessário que sejam refeitas pelos empreendedores as inscrições federal, estadual e municipal, bem como as as licenças da empresa. Para que possam ser feitas alterações, no caso das sociedades limitadas, é preciso que, no mínimo, 75% do capital esteja de acordo. Normalmente, o registro de um contrato social pode ser agilizado procurando o sindicato da categoria da empresa, sendo que o mesmo pode possuir um posto avançado da junta comercial. Com isso, é possível que esse processo seja finalizado em até 24 horas.
4) Opção pelo regime tributário que a empresa seguirá
Atualmente, existem basicamente três regimes de tributação. São eles, o Simples, o Presumido e o Real. A opção pelo tipo de tributação que a empresa vai utilizar deve ser feita até o início do ano posterior à inauguração, mas as análises devem ser realizadas com antecedência para que se tenha certeza da opção, reduzindo as chances de erros.
Para evitar problemas, é preciso que cada caso seja analisado de forma individual, evidenciando que não existe um modelo exato para a realização de um planejamento. Apesar de muitos pensarem que melhor tipo de tributação é o Simples, há casos em que esse tipo de tributação não é o mais interessante, mesmo que a companhia se enquadre em todas as especificações.
5) Definição da estrutura física
O empreendedor precisa, além de definir o local em que será desenvolvido o empreendimento, adquirir toda a estrutura para o funcionamento da empresa, o que vai depender de cada ramo de atuação, podendo ir desde maquinário até material de escritório.
Em relação ao ponto físico do negócio, é importante que observar também se esse se adéqua ao público que pretende atingir e, principalmente, diretrizes estabelecidas pelo município referente ao local. Hoje uma ótima opção são espaços de escritórios compartilhados, que reduzem em muito os custos.
6) Obtenção de registros e licenças
Atualmente, a burocracia no Brasil para empresas é tão grande que boa parte delas não possuem todos os registros e licenças necessários para o funcionamento, o que pode configurar um risco jurídicos para elas. Entre os registros necessários estão o habite-se do imóvel, que é a autorização da prefeitura para que ele possa ser habitado, e as regras de ocupação de solo, alvará de funcionamento, pagamento de taxas de funcionamento, dentre outras licenças necessárias dependendo da atividade da empresa. Confira todos os documentos necessários e em quais órgão buscar:
Junta Comercial: registros dos atos sociais (contrato social, atas de reuniões, deliberações etc.);
Receita Federal: para obtenção de registro do CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica);
Prefeitura: para obtenção do Alvará de Funcionamento e nota fiscal, caso a empresa seja contribuinte do ISS (Imposto Sobre Serviços);
Secretaria Estadual da Fazenda: obtenção de inscrição Estadual.
7) Contratação de uma contabilidade
Toda empresa precisa de uma contabilidade para funcionar, pois ela será responsável por estar gerando as informações imprescindíveis para a empresa esteja em dia com os órgãos públicos. Além disso, também são responsáveis pelo cálculo de impostos e tributos que a empresa deverá pagar, bem como análise da situação contábil da empresa e geração de informações imprescindíveis para a gestão empresarial.
8) Processo de contratação de profissionais
Um dos passos iniciais é identificar se o seu negócio terá necessidade de outros funcionários. Caso exista essa exigência, será preciso abrir processos seletivos para contratação, atualmente um dos pontos mais problemáticos para as empresas devido a uma crescente falta de mão de obra que pela qual passa o País. Depois da contratação, será necessário elaborar o contrato de trabalho, definir salários, benefícios, ver qual o melhor regime de trabalho e regularizar o mesmo junto ao INSS.
CONTADORES

Por que sua empresa pode ter prejuízo até em um bom ano

Não existe resposta mais assertiva para o título desse artigo do que um categórico “sim”, fundamentado no comportamento pragmático de qualquer gestão.
O empreendedor que se encontra nessa situação deve buscar as possíveis causas que podem estar na falta de gerenciamento do dia a dia do negócio. Deve preocupar-se com a sustentabilidade e não com o aumento de resultados positivos (temporais), sobretudo no caixa.
Entende-se por sustentabilidade dos negócios um conjunto de ações gerenciais incorporadas no dia a dia da empresa, que visa resultados positivos a curto, médio e longo prazo.
Essas ações estão no controle operacional efetivo, com a vigilância dos custos; o gerenciamento financeiro (equilibrando receitas e despesas); as ações de marketing para manter vivos os produtos/serviços e a marca da empresa; e as ações de gestão de pessoas, com foco nos colaboradores internos e parceiros externos. A gestão de gente preocupa-se ainda com os consumidores e clientes, bem como com seu comportamento de compra.
Há diversos ganhos em trabalhar a sustentabilidade de um negócio. Para o empreendedor, esse conceito deve apresentar possibilidades de crescimento, ao entender que a empresa não pode ser avaliada apenas pela entrada de dinheiro em caixa e, sim, a partir de tudo o que apresenta de retorno positivo e que refletirá resultados com valores agregados no futuro.
Por exemplo: novas parcerias de mercado ou a abertura de negociações vantajosas com um fornecedor. A imagem positiva da empresa em honrar com seus compromissos de maneira ética é também sinal de sustentabilidade.
Para não terminar o ano com prejuízo, mesmo diante de resultados positivos mês a mês, e, além disso, pensar na sustentabilidade, o empreender deve:
1 — Manter vivo o plano de negócio: consultar sempre as viabilidades financeiras para a implantação de novos negócios, produtos ou serviços.
2 — Escolher bem os futuros sócios ou parceiros (inclusive fornecedores):analisar se os objetivos e valores são compatíveis com os seus.
3 — Conhecer as tributações do seu negócio: para tanto, sugiro contratar um contador que possa não somente operacionalizar a contabilidade, mas também assessorar você e ensinar sobre tudo que envolve a alíquota de tributos.
Exame.com

Empreendedor não é super-herói para lutar sozinho: forme uma liga de primeira

A característica que melhor define um empreendedor é sua energia de execução, sua paixão por colocar a mão na massa. Lembra daquela piada na qual as pessoas no céu, antes de nascer, passam por diversas estações para se abastecer de qualidades? É certo que a maior parte dos empreendedores entram mais de uma vez nas filas da ousadia, da ação e da intuição.
Essa força centralizadora, direcionada para a execução, é inerente ao processo de empreender e necessária para que um novo negócio vingue. Como cavaleiros medievais, com a lança afiada (uma ideia, o desejo de vencer, um modelo de negócios) e geralmente, sem escudo de proteção (planejamento, cenários e planos de reação), avançamos em busca de clientes enquanto lutamos contra a burocracia, os concorrentes, os custos de infraestrutura, as crises.
É essencial que, nos primeiros minutos de jogo (ou até nos primeiros anos), o empreendedor esteja dedicado e atento ao seu negócio 24 x 7, sem pausa. A expressão “o olhar do dono é que engorda o gado” tem razão de ser.
O problema é que essa força centralizadora normalmente segue na potência máxima em outras fases do negócio, mesmo quando seu efeito não é assim mais tão positivo.
Se você optar por ter um pequeno negócio e quiser mantê-lo pequeno, é provável que sobreviva com as operações concentradas em você. Este modelo limita o crescimento, pode afetar sua saúde e harmonia familiar, reduz seu descanso e eventualmente, desestimula os funcionários interessados em evoluir. Mas tem gente que é feliz dessa maneira. Depende da visão de mundo de cada um.
Por outro lado, se o talento empreendedor mira maiores impactos, seu crescimento poderá exigir novas filiais, força de vendas e atendimento mais amplas, centros de distribuição estratégicos, atividades de exportação, mais fábricas e postos de assistência, e consequentemente, mais pessoas.
Endeavor

Acredite na sua ideia, mas não fique cegamente apaixonado por ela

Já escrevi sobre como a paixão por algo que você faz pode tornar-se um negócio de sucesso. Sim, isso é um fato, mas é importante não se deixar envolver pela verdade absoluta, confundindo aquilo que se quer fazer com um jeito cego de construir algo.
Certamente você já passou por esta situação ou conhece alguém que passou por isso: a pessoa se apaixona por outra de tal maneira que se afasta dos amigos e até dos familiares; toda a vida passa a girar em torno daquele ser; suas vontades mudam, seus hábitos mudam e de repente todo o resto não tem mais importância. Pois é exatamente isso que acontece com alguns empreendedores.
É claro que um empreendedor precisa necessariamente acreditar no que está fazendo e ter uma boa dose de paixão, mas como tudo na vida é preciso equilibrar as coisas para não desperdiçar energia e comprometer aquilo que pode ser um bom negócio.
Compartilhe a sua ideia
Para não cair neste erro, é fundamental ajustar o seu negócio conforme os desejos e demandas de seus consumidores e não somente às suas convicções. Estar próximo e atento aos consumidores, ouvir opiniões e sugestões pode determinar o sucesso do seu empreendimento. Se ao invés disso, manter a ideia em um conceito fechado, sem compartilhar isso com o mercado, certamente o caminho será mais difícil para desenvolver o negócio. Pense da seguinte maneira: se a ideia fosse apenas para você, não precisava virar um negócio, não precisaria virar uma empresa.
Outro fator importante; você tem uma ideia maravilhosa que na sua mente vai lhe trazer muitos benefícios, lucro e reconhecimento; mas esta ideia tem o propósito de resolver o problema de alguém? Ou mais, resolver um problema recorrente no mercado? Algo que ninguém mais identificou?
Uma boa ideia surge de um problema
Acredito que todo negócio nasce para resolver um problema, se não há problema, não há razão para existir o negócio. Se não existe demanda, não existe venda, seja um produto ou serviço. Trabalhar em cima de um problema do mercado vai facilitar o desenvolvimento da sua ideia. Costumo dizer o seguinte: apaixone-se pelo problema que seu negócio quer resolver e não pela sua ideia.
É importante ter em mente que mesmo achando um problema, uma maneira de suprir a necessidade e assim desenvolver uma ideia que atenda esta demanda, quem vai decidir a sobrevivência, o desenvolvimento e o crescimento do negócio é o próprio mercado. Em um primeiro momento, haverá rejeição, solicitações de ajuste à demanda ou à realidade dos envolvidos e isso trará algum desconforto ou mesmo uma sensação de que não está no caminho certo. Este período é determinante, pois através das intervenções externas, o projeto terá a oportunidade de evoluir e chegar ao ponto ideal para finalmente começar a jornada para o sucesso.
Ouça o mercado, entenda os problemas
Conquistar clientes é um processo árduo, principalmente quando se apresenta uma novidade. Mesmo que atenda a uma necessidade, que resolva um problema, sempre será difícil conquistar a confiança das pessoas. Por isso ressalto a importância de estar envolvido com quem gera a demanda. Saber ouvir e entender o que pensam a respeito do problema que você identificou é o ponto determinante para formatar a sua ideia. Lembre-se de que a ideia não é sua, ela é algo que você oferece aos outros, ao mercado; algo que não lhe pertence, que tem sua vida próprio e você é simplesmente o condutor.
Não faltam oportunidades no mercado brasileiro. Tratando-se de um país ainda em desenvolvimento, muitos problemas aparecem todos os dias e assim abrem portas para os empreendedores. Escolher o caminho certo depende de muita reflexão, de muita serenidade para encontrar aquilo em que você pode realmente fazer a diferença. E não se esqueça: Empreender é resolver problemas.
Administradores

Foque Nos Resultados e Não nas Tarefas

O que define o sucesso e o desempenho do empreendedor é a diferença dos resultados que ele produz.
Se você está muito preocupado somente com as tarefas ou processos, com o esforço e volume de trabalho, leva trabalho para casa e mantém o local de trabalho parecendo que tem milhares de coisas a fazer então, tome cuidado!
Você pode não estar produzindo o Resultado Esperado e ainda Não tem Liberdade de Tempo e de Escolha para Equilibrar Sua Vida Pessoal, Familiar e Profissional.
Existem 2 Perfis de Empreendedores:
O Realizador de Tarefas
O Realizador de Tarefas geralmente é muito esforçado, realiza muito bem as tarefas que lhe são designadas sem se preocupar muito com os resultados que ele deva gerar.
Se a tarefa está bem feita, ótimo!
O Realizador de Tarefa está sempre buscando qual a ferramenta de gestão que está na moda um nome diferente para o Planejamento Estratégico, uma variação do PDCA um novo jeito de identificar oportunidades etc.
O Gerador de Resultados
O Gerador de Resultados entende como resultado o Valor que ele Agrega Para a Empresa.
Ele entende quais os resultados desejados, especificando o que deve ser entregue, o prazo e o valor.
Muitas vezes age com bom senso para gerar um resultado e não cria um processo complexo e burocrático, que fica bonito mas prejudica o resultado.
Ele não é burocrata!
Ele não foca em executar as ferramentas gerenciais, mas foca no resultado e escolhe aquela mais simples para que ele alcance o resultado planejado.
DISC – FERRAMENTA DE AVALIAÇÃO DE PERFIL
O primeiro ponto é você Avaliar o Seu Perfil em função do que falamos.
Se tiver dificuldades, compare os Resultados e os Lucros da sua empresa e Seu Volume de Trabalho.
Pouco Resultado com Muitas Tarefas ou Muito Resultado com Poucas Tarefas, mas prioritárias?
É de ficar surpreendido com a quantidade tempo, energia e dinheiro que as empresas gastam em processos.
Qualquer Empreendedor Competente que deseje Duplicar Seus Lucros deve aumentar suas criticas em relação aos processos.
Qualquer investimento de tempo ou dinheiro para implementar ferramentas gerenciais deve ser bem questionada.
Não que as ferramentas gerenciais não sejam importantes elas são somente um meio para se chegar aos resultados.
Pergunte sempre que pensar em adquirir uma ferramenta:
Essa ferramenta realmente é necessária ou existe uma forma mais rápida, mais direta e mais sensata para que eu seja orientado a resultados e não a tarefas?
Para Gerar Resultados:
Jamais escreva um recado quando basta falar com alguém;
Jamais convoca uma reunião quando basta redigir um e-mail;
Jamais convoca reunião de 4 horas quando uma reunião de 1 hora já é suficiente;
Jamais desenhe um processo complexo quando apenas uma reunião já é o suficiente para resolver o problema.
Empresários Brilhantes

Empreendedor ganha salário? Como não misturar suas contas e as da empresa

Separar as contas pessoais e as contas da empresa pode ser uma dificuldade enorme para empreendedores, mas é fundamental para garantir a perenidade do negócio. O empreendedor jamais deve enxergar no lucro da empresa a sua renda mensal, ao mesmo tempo em que precisa fazer um planejamento para cobrir seus gastos pessoais.
Alexandre Serodio, Empreendedor Endeavor e fundador do Beleza na Web, sempre foi rigoroso com essa separação. Ele acredita que o dono do negócio não pode considerar suas necessidades pessoais mais importantes que as da companhia. “A empresa é como um filho. Se você só tem um prato de comida, mesmo que esteja passando fome, vai garantir a refeição para o seu filho”, diz.
Mas de onde vem tanta convicção? Para Alex, é óbvio: Se você investiu em um negócio, é porque acredita que ele pode dar muito certo e precisa investir nele antes de colher os frutos. Logo, a maior parte do lucro deve ser aproveitada na própria empresa. “Um dia, a empresa um dia vai te prover”.
À frente do Beleza na Web, ele chegou a trabalhar um período com uma ordem de prisão decretada, pois não conseguia pagar a pensão para os filhos. Em nenhum momento pensou em tirar dinheiro da empresa para resolver a questão familiar. Continuou trabalhando várias horas por dia para melhorar a situação da companhia e, só então, quitou o que devia. Hoje, tem a guarda dos filhos.
Com a experiência de Alex, reunimos dicas para não misturar PF com PJ.
Seu maior investimento é a sua empresa
Você acredita na sua empresa? Então, por que tirar o dinheiro que poderia ser reinvestido para impulsionar o crescimento dela e deixá-lo no banco como pessoa física? Não estamos dizendo que você deve acabar com as suas reservas pessoais, mas é preciso valorizar o seu ativo mais importante. Se o seu sonho é grande, a empresa precisa ser prioridade.
Salário do empreendedor
Para estabelecer o salário do empreendedor, é possível considerar três aspectos. O primeiro é a realidade do negócio. Não dá para fixar um valor que comprometa planos de investimento e o pagamento dos demais funcionários. O segundo é achar um parâmetro de acordo com as funções exercidas. Quanto você ganharia se estivesse executando as mesmas tarefas em outra empresa? O terceiro são as necessidades pessoais. Faça uma planilha com todos os seus gastos irredutíveis. Em muitos momentos, o empreendedor não pode se dar ao luxo de ter um salário maior que suas necessidades.
Misturar as despesas pode confundir a administração da empresa
Como saber quais são as reais despesas do seu negócio se você usou o cartão corporativo para abastecer o carro no final de semana, pediu para a secretária pagar a escola dos seus filhos ou bancou vários cafés durante o mês? Se gastos pessoais são incluídos na conta, fica mais difícil entender o que está acontecendo no seu negócio. Bagunça, inclusive, aquela matemática básica de que o lucro = receitas – gastos. Além disso, pode diminuir a credibilidade da empresa diante de investidores. No banco, tenha uma conta corrente para pessoa física e uma para a empresa, assim fica mais fácil controlar os seus gastos e pagamentos e os da empresa.
É como se o dono se achasse com mais direitos que toda a sua equipe. A lógica deveria ser outra: quanto mais poder, mais responsabilidade diante dos outros. É preciso dar o exemplo e não misturar.
Endeavor

Como montar uma empresa: dicas para ter o dinheiro necessário

Economia e investimentos
Ter o hábito de poupar pode ser uma vantagem para conseguir o capital necessário e não passar mais apertos no futuro. Não há a necessidade de grandes sacrifícios para isso: basta fazer uma análise profunda de todo o dinheiro que ganha e como é gasto para cortar despesas desnecessárias ou excessivas.
Outra dica para montar uma empresa com o próprio dinheiro é buscar informações para aproveitar melhor os recursos que utiliza, como energia elétrica, água, combustível, cartões de crédito, etc. Use tudo o que puder a seu favor para economizar.
Seguindo as dicas de economia, muito dinheiro pode ser acumulado em pouco tempo. Assim que adquirir um valor relevante, aplique-o em renda fixa para monetizá-lo. Essa prática, além de proteger o capital da desvalorização, ajudará a acumular um montante ainda maior.
Empréstimos bancários
Para quem tem pressa, utilizar as linhas de crédito oferecidas pelos bancos pode ser uma solução atraente. Para isso, será necessário ter um bom histórico financeiro no mercado e oferecer garantias de pagamento. Alguns bancos podem até exigir uma verificação do plano de negócios para analisar seu potencial de retorno.
A vantagem dos empréstimos bancários é o acesso ao montante necessário de forma rápida. No entanto, o empreendedor deve ficar atento às taxas de juros que serão cobradas.
Investidores estrangeiros
Muitos empreendedores não sabem como montar uma empresa tendo acesso rápido ao capital necessário. Uma das alternativas mais interessantes do mercado é o investimento estrangeiro. Geralmente, esse tipo de ajuda é concedida de maneira mais fácil e menos burocrática, principalmente se o plano de negócios demonstrar um potencial de retorno atrativo.
Caso essa seja a opção escolhida, tenha ciência de que o plano de negócios deve conter informações bem precisas para que o investidor sinta confiança em emprestar o dinheiro.
Agências de fomento
Uma alternativa bastante atraente para o empreendedor conseguir o capital necessário é buscar o apoio de agências de fomento. Essas agências emprestam dinheiro a custos baixíssimos para empreendedores abrirem seus negócios, caso eles estejam inclusos em algum projeto de desenvolvimento do governo.
Incubadoras
Se a empresa for uma startup, tratar de algum tipo de negócio inovador ou tiver realmente um bom potencial de desenvolvimento, aqui vai mais uma dica interessante de como montar uma empresa com capital de terceiros: procure o apoio de uma incubadora.
Geralmente, são instituições de ensino universitário que oferecem os recursos necessários para a abertura e desenvolvimento do negócio. Entre os principais recursos oferecidos estão:
Consultoria empresarial;
Assessoria jurídica; e
Infraestrutura adequada.
É importante lembrar que, independentemente da opção que escolher, o empreendedor deve contar com um software de gestão para otimizar os processos operacionais e gerenciais. Assim, ele evita desperdícios de recursos, reduz custos, diminui o índice de falhas, melhora a produtividade e a rentabilidade do negócio.
SAGE

Chega de entraves: como o governo pode ajudar o empreendedor

O economista austríaco Carl Menger identificou que a sociedade nasce de forma espontânea, por meio do conjunto das ações individuais de cada indivíduo, que busca aumentar seu bem-estar. Traduzindo: não é necessário que haja alguém para coordenar o comportamento das pessoas. Nesse contexto, o governo surge como uma ferramenta de governança que tem como objetivo contribuir para a solução de problemas comuns a uma determinada população e garantir a segurança de todos. Ou seja, o Governo é uma ferramenta criada para servir os cidadãos.
O problema é que, durante os anos, integrantes do governo passaram a tratá-lo não como uma ferramenta, mas como um fim em si mesmo. Consequentemente, o governo passa a querer controlar a sociedade, centralizar as decisões e ampliar a tributação para benefício próprio. Quando isso acontece, ocorre uma diminuição da liberdade dos indivíduos e os recursos disponíveis são alocados de uma maneira improdutiva, provocando uma destruição de riqueza e de bem-estar.
Um exemplo desse processo é a questão da abertura e fechamento de empresas. Quando os municípios criam barreiras burocráticas, eles restringem a liberdade do empreendedor de ter seu próprio negócio e ainda o faz desperdiçar recursos, tempo e dinheiro indo de um lado para outro, tendo que passar em diferentes setores para conseguir todas as permissões necessárias. Durante todo esse processo, nada foi produzido e o governo destruiu riqueza.
Nesse contexto, uma das melhores ferramentas para desburocratização é a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa. Ela prevê três pontos fundamentais para facilitar a vida do empresário:
Sala do empreendedor: espaço que reúne todos os órgãos envolvidos no processo de abertura e fechamento de empresas em um só local, o que economiza tempo para o empreendedor;
Concessão do alvará provisório: com isso a empresa pode funcionar já no dia seguinte da sua formalização; e
Definição das atividades de risco: a partir disso as empresas envolvidas com atividades de risco baixo ou moderado possam começar a operar mais rapidamente.
As ações de redução de processos burocráticos desnecessários já apresentam resultados palpáveis. Segundo dados do Sistema de Monitoramento da Implementação da Lei Geral, em 232 municípios já é possível abrir um negócio em apenas um dia. Algo comparável aos melhores países do mundo nesse quesito. O resultado é aumento da produtividade, da riqueza e do bem-estar dessas cidades.
ENDEAVOR

Atitudes de um bom líder em um escritório contábil

Assim como em qualquer empresa, os escritórios de contabilidade também podem encontrar dificuldades para formar uma equipe comprometida com o negócio. Mas você já parou para pensar que talvez o problema não esteja nos profissionais e, sim, na sua atuação à frente daquela equipe?
Afinal, é o gestor quem organiza a rotina, distribui funções, motiva o grupo e tem papel determinante para transformar o ambiente de trabalho em um lugar bom para se estar — ou, então, afugentar as pessoas. É isso que diferencia um bom líder de um mero chefe: ele está preocupado com o clima organizacional e, além de suas tarefas rotineiras, faz de tudo para formar e fortalecer vínculos com sua equipe.
Algumas pessoas já nascem com a característica natural da liderança, mas outras precisam trabalhar essa habilidade. A seguir, mostramos 5 atitudes que um bom líder costuma ter para alcançar o sucesso no trabalho.
Seja um empreendedor com visão – Você não precisa ser dono da empresa para desenvolver um espírito empreendedor: essa também é a característica imprescindível do gestor que está à frente de uma equipe. Isso porque a preocupação do verdadeiro líder vai além da rotina e das dificuldades do setor que coordena. Ele também está atento à direção para onde caminha a empresa e à realidade e aos desafios do mercado, usando isso a seu favor para entregar o melhor serviço ao cliente, inovar e superar a concorrência.
Não foque só no próprio setor que coordena ou na atividade que realiza. Isso o impede de realizar ações com foco na evolução concreta do negócio.
Seja parte da equipe – Por mais que esteja à frente de uma equipe, o líder não deve esquecer que também faz parte dela. Ele não está além, nem acima: está ali simplesmente, apenas com responsabilidades a mais. Por isso, não se coloque em uma posição superior, não intimide a equipe e não esteja sempre indisponível ou distante.Em vez disso, jogue junto, integre o time, seja parceiro, faça com que todos trabalhem como em uma engrenagem e, se for preciso, coloque a mão na massa. Equipe motivada é equipe focada no trabalho e parceira do chefe.Esteja atento ao perfil de cada um na equipe – Cada pessoa é única e tem habilidades peculiares que a fazem se destacar dos demais. O bom líder não apenas sabe identificar isso como ajuda o colaborador a desenvolvê-las, enquadrando-o nas funções mais adequadas para o seu perfil.Assim, sempre divida as tarefas com organização e leve em consideração o perfil e a habilidade de cada colaborador.
Trabalhe a resiliência – Os problemas, dificuldades e contratempos sempre vão fazer parte da rotina profissional em qualquer ambiente. O que diferencia um líder de um simples chefe, porém, é a forma como lida com eles: ele encara a crise de frente, promove a união da equipe, pede ajuda, negocia de forma eficaz e supera o obstáculo de maneira natural e tranquila, sem perder a razão ou ser levado pelo estresse.
Saiba ouvir – A equipe sempre tem algo a dizer: dar uma sugestão que ajuda a melhorar a rotina, reclamar de algo que incomoda, elogiar uma atitude que deu certo. E é importante que o líder incentive e esteja aberto a isso, inspirando confiança e os deixando à vontade para expor seus pontos de vista.
Afinal, ninguém melhor que as pessoas que colocam a mão na massa para saber o que deve melhorar naquela rotina. Além disso, procure colocar em prática as boas sugestões que chegarem até você.
Mesmo precisando trabalhar essas habilidades em si, saiba que o líder, acima de tudo, é humano e igual a qualquer outro. Passe essa imagem à sua equipe. As pessoas não gostam de ser tratadas de forma mecânica ou como se fossem só mais um. Um bom líder deve inspirar o engajamento da equipe, criar confiança e desenvolver um time realmente comprometido.
Sage