Confiança

Como montar uma empresa: dicas para ter o dinheiro necessário

Economia e investimentos
Ter o hábito de poupar pode ser uma vantagem para conseguir o capital necessário e não passar mais apertos no futuro. Não há a necessidade de grandes sacrifícios para isso: basta fazer uma análise profunda de todo o dinheiro que ganha e como é gasto para cortar despesas desnecessárias ou excessivas.
Outra dica para montar uma empresa com o próprio dinheiro é buscar informações para aproveitar melhor os recursos que utiliza, como energia elétrica, água, combustível, cartões de crédito, etc. Use tudo o que puder a seu favor para economizar.
Seguindo as dicas de economia, muito dinheiro pode ser acumulado em pouco tempo. Assim que adquirir um valor relevante, aplique-o em renda fixa para monetizá-lo. Essa prática, além de proteger o capital da desvalorização, ajudará a acumular um montante ainda maior.
Empréstimos bancários
Para quem tem pressa, utilizar as linhas de crédito oferecidas pelos bancos pode ser uma solução atraente. Para isso, será necessário ter um bom histórico financeiro no mercado e oferecer garantias de pagamento. Alguns bancos podem até exigir uma verificação do plano de negócios para analisar seu potencial de retorno.
A vantagem dos empréstimos bancários é o acesso ao montante necessário de forma rápida. No entanto, o empreendedor deve ficar atento às taxas de juros que serão cobradas.
Investidores estrangeiros
Muitos empreendedores não sabem como montar uma empresa tendo acesso rápido ao capital necessário. Uma das alternativas mais interessantes do mercado é o investimento estrangeiro. Geralmente, esse tipo de ajuda é concedida de maneira mais fácil e menos burocrática, principalmente se o plano de negócios demonstrar um potencial de retorno atrativo.
Caso essa seja a opção escolhida, tenha ciência de que o plano de negócios deve conter informações bem precisas para que o investidor sinta confiança em emprestar o dinheiro.
Agências de fomento
Uma alternativa bastante atraente para o empreendedor conseguir o capital necessário é buscar o apoio de agências de fomento. Essas agências emprestam dinheiro a custos baixíssimos para empreendedores abrirem seus negócios, caso eles estejam inclusos em algum projeto de desenvolvimento do governo.
Incubadoras
Se a empresa for uma startup, tratar de algum tipo de negócio inovador ou tiver realmente um bom potencial de desenvolvimento, aqui vai mais uma dica interessante de como montar uma empresa com capital de terceiros: procure o apoio de uma incubadora.
Geralmente, são instituições de ensino universitário que oferecem os recursos necessários para a abertura e desenvolvimento do negócio. Entre os principais recursos oferecidos estão:
Consultoria empresarial;
Assessoria jurídica; e
Infraestrutura adequada.
É importante lembrar que, independentemente da opção que escolher, o empreendedor deve contar com um software de gestão para otimizar os processos operacionais e gerenciais. Assim, ele evita desperdícios de recursos, reduz custos, diminui o índice de falhas, melhora a produtividade e a rentabilidade do negócio.
SAGE

Você sabe lidar com as objeções de vendas em seu negócio?

Vender não é apenas oferecer produtos e sim, a arte de persuadir, conquistar a confiança e o respeito dos clientes para depois efetuar uma venda. Porém, ainda vemos alguns vendedores que não sabem lidar com as objeções que aparecem em seu negócio. Para que isso não ocorra, é muito importante que você ofereça um atendimento profissional, que deixe claro para o cliente potencial que você está ali para oferecer a melhor experiência de compra, buscando entender quais são as verdadeiras necessidades do cliente.
Para evitar surpresas na condução da venda, é preciso que os vendedores antecipem o momento da negociação. É fundamental que você estude o cliente, sua empresa, as necessidades e busque levar a solução correta para todos os envolvidos. Sua equipe de vendas precisa fazer a lição de casa. Conhecer a empresa em que trabalha, seus produtos e serviços de ponta a ponta, qual é o perfil do seu público e seus concorrentes, e por fim, o mercado como um todo.
Pensando em como ajudar a lidar melhor com as objeções das vendas, listei algumas dicas importantes que podem ajudar toda sua equipe de vendas a driblar as dificuldades na hora de efetuar uma venda:
1. Registre tudo sobre seu cliente: anote todas as informações importantes sobre o cliente, quem é a concorrência e quais são os problemas internos da empresa. A melhor forma de fazer esse registro é por meio de um aplicativo de CRM que auxilia centralizando todas as informações importantes em um só local, além de enviar lembretes por e-mail sobre compromissos agendados, como visitas, reuniões, entre outros.
2. Ouça mais, fale menos: é comum muitas pessoas buscarem criar uma intimidade com o cliente. Neste caso, o mais importante é ouvir mais do que criar uma intimidade. Desta forma você saberá de fato sobre seu cliente e as objeções em vendas serão resolvidas com mais facilidade. Além disso, vale lembrar que quando o cliente está falando muito é porque ele está se sentindo à vontade com o vendedor, isso torna o contato ainda mais satisfatório para sua empresa;
3. Não empurre a venda, atraia um bom negócio: para atrair um bom negócio nada melhor do que conhecer e entender exatamente o que o cliente precisa. Vale perguntar quais são os principais objetivos que o cliente tem, ou as necessidades atuais, e apresentar as vantagens e os benefícios que a solução oferecida pode trazer para a empresa do cliente com base nesses pontos que ele levantou.
4. Nunca “confronte o comprador”: Se o comprador apresentar uma objeção, nunca diga “Não é isso!”. Vale usar o que dissemos na dica dois, sobre ouvir atentamente antes mesmo de dizer qualquer coisa. Procure usar também a linguagem corporal a seu favor, acenando positivamente com a cabeça, enquanto estiver registrando mentalmente cada detalhe do que está sendo falado. Em seguida, diga que compreendeu o que ele quis dizer, ou pergunte mais, até que realmente entenda o ponto de vista do comprador. O próximo passo é mostrar um outro cenário, uma pesquisa, dados, ou caso de sucesso com outro cliente, que resolveu a questão levantada. Essa é uma excelente forma de lidar com a situação.
5. Classifique e registre as objeções: classificar as objeções têm grandes e importantes objetivos. Por um lado, o vendedor terá o histórico dos tipos de soluções empregadas, quais as objeções mais comuns para cada produto ou serviço oferecido e quais as mais usadas por quais tipos de clientes. Dessa forma, além de poder se preparar melhor antes da reunião, caso perceba que uma objeção está sendo formulada, poderá se lembrar ou mesmo checar em suas anotações (feitas no aplicativo de CRM), as respostas mais indicadas para cada tipo de objeção. Trate cada negociação como uma lição aprendida.
Para finalizar, vale lembrar que a experiência de cada vendedor sempre é composta por outras. Saber lidar com todas as objeções que as vendas podem trazer é muito importante. Por isso, estudar novas técnicas de vendas e se aprimorar cada vez mais no segmento em que atua é essencial para aqueles que querem ter sucesso na carreira.
Netspeed/Administradores.com

Dicas para escolher um sistema de contabilidade

Um bom sistema de contabilidade pode ser o diferencial que sua empresa está buscando — afinal, é cada vez maior o número de obrigações acessórias que devem ser geradas e enviadas ao Fisco. Além disso, o uso de informações integradas e em tempo real é cada vez mais necessário no processo de tomada de decisão.
Pensando nisso, no post de hoje, apresentamos cinco dicas para você escolher o sistema de contabilidade mais adequado à sua empresa ou ao seu escritório contábil, que poderá lhe ajudar nesses e em outros aspectos da rotina empresarial. Vamos lá?
Agilidade e confiança
A agilidade e a confiança nos processos contábeis são parâmetros que fazem toda a diferença na hora de buscar um sistema de contabilidade. É preciso buscar soluções inteligentes, que sejam de uso intuitivo e que, no caso de alguma dúvida, possam contar com suporte disponível de acordo com as suas necessidades.
Segurança dos dados
A contabilidade é uma parte bastante sensível de uma empresa, já que trata de informações financeiras e patrimoniais. Assim, na hora de escolher um sistema de contabilidade, procure aqueles que tenham bancos de dados com segurança reforçada — para evitar problemas com perda de informações ou acesso indevido das mesmas.
O acesso controlado, definido de acordo com o tipo de usuário, também deverá ser considerado nessa hora — a medida fortalece ainda mais a segurança dos dados contábeis.
Integração
A integração entre os diferentes módulos do sistema que será escolhido é essencial — boa parte das obrigações tributárias utiliza informações de mais de um departamento ao mesmo tempo. Isso permite ainda ganho de tempo e qualidade na informação — além de evitar esquecimentos e perdas de dados que devem passar por mais de um departamento.
Outra necessidade é a integração para envio automático de obrigações como o SPED, SPED Fiscal, SEFIP eDIRF, entre outros que fazem parte do calendário de obrigações acessórias das empresas.
Gerenciamento de atividades
Um bom sistema de contabilidade é aquele que também permite o gerenciamento das atividades — e, até mesmo, dos usuários. Foque em soluções que ajudem a controlar acessos e monitorar os usuários em relação aos processos e tarefas.
Essa possibilidade permite um melhor gerenciamento do desempenho de seus colaboradores e da realização de tarefas. Gerando muitos ganhos em produtividade, o gerenciamento de atividades evita atrasos na contabilização e ainda facilita a delegação de tarefas — já que é possível entender os processos de forma detalhada.
Automatização
As soluções contábeis, atualmente, precisam ser automatizadas. Você deve optar por um sistema que possibilite que as tabelas legais sejam carregadas automaticamente — evitando, além de perda de tempo, possíveis erros de digitação.
Além disso, é preciso escolher um sistema que permita tanto o agendamento quanto a realização automática de atualizações, fazendo com que elas sejam executadas quando for mais conveniente para você e sua empresa.
Neste post, mostramos que para escolher um sistema de contabilidade é preciso buscar agilidade e confiança, um sistema integrado e que forneça a possibilidade de gerenciamento dessas atividades — e que, além disso, permita a automatização de tabelas e dos procedimentos de atualização.
Um bom sistema de contabilidade pode ser o diferencial que sua empresa está buscando — afinal, é cada vez maior o número de obrigações acessórias que devem ser geradas e enviadas ao Fisco. Além disso, o uso de informações integradas e em tempo real é cada vez mais necessário no processo de tomada de decisão.
Pensando nisso, no post de hoje, apresentamos cinco dicas para você escolher o sistema de contabilidade mais adequado à sua empresa ou ao seu escritório contábil, que poderá lhe ajudar nesses e em outros aspectos da rotina empresarial. Vamos lá?
Agilidade e confiança
A agilidade e a confiança nos processos contábeis são parâmetros que fazem toda a diferença na hora de buscar um sistema de contabilidade. É preciso buscar soluções inteligentes, que sejam de uso intuitivo e que, no caso de alguma dúvida, possam contar com suporte disponível de acordo com as suas necessidades.
Segurança dos dados
A contabilidade é uma parte bastante sensível de uma empresa, já que trata de informações financeiras e patrimoniais. Assim, na hora de escolher um sistema de contabilidade, procure aqueles que tenham bancos de dados com segurança reforçada — para evitar problemas com perda de informações ou acesso indevido das mesmas.
O acesso controlado, definido de acordo com o tipo de usuário, também deverá ser considerado nessa hora — a medida fortalece ainda mais a segurança dos dados contábeis.
Integração
A integração entre os diferentes módulos do sistema que será escolhido é essencial — boa parte das obrigações tributárias utiliza informações de mais de um departamento ao mesmo tempo. Isso permite ainda ganho de tempo e qualidade na informação — além de evitar esquecimentos e perdas de dados que devem passar por mais de um departamento.
Outra necessidade é a integração para envio automático de obrigações como o SPED, SPED Fiscal, SEFIP eDIRF, entre outros que fazem parte do calendário de obrigações acessórias das empresas.
Gerenciamento de atividades
Um bom sistema de contabilidade é aquele que também permite o gerenciamento das atividades — e, até mesmo, dos usuários. Foque em soluções que ajudem a controlar acessos e monitorar os usuários em relação aos processos e tarefas.
Essa possibilidade permite um melhor gerenciamento do desempenho de seus colaboradores e da realização de tarefas. Gerando muitos ganhos em produtividade, o gerenciamento de atividades evita atrasos na contabilização e ainda facilita a delegação de tarefas — já que é possível entender os processos de forma detalhada.
Automatização
As soluções contábeis, atualmente, precisam ser automatizadas. Você deve optar por um sistema que possibilite que as tabelas legais sejam carregadas automaticamente — evitando, além de perda de tempo, possíveis erros de digitação.
Além disso, é preciso escolher um sistema que permita tanto o agendamento quanto a realização automática de atualizações, fazendo com que elas sejam executadas quando for mais conveniente para você e sua empresa.
Neste post, mostramos que para escolher um sistema de contabilidade é preciso buscar agilidade e confiança, um sistema integrado e que forneça a possibilidade de gerenciamento dessas atividades — e que, além disso, permita a automatização de tabelas e dos procedimentos de atualização.
Sage

Teste de integridade: quando a confiança é a melhor arma contra a fraude

Não é nenhum segredo, a prevenção à fraude traz muitas vantagens para qualquer empresa. Esse cuidado ajuda na preservação da imagem organizacional, diminui possíveis impactos financeiros no negócio e ainda gera um ambiente mais ético e seguro para toda a empresa. Por outro lado, quando uma fraude é cometida, as consequências são extremamente negativas, podendo comprometer o desenvolvimento da empresa ou até mesmo afastar a possibilidade de sua perenidade.
É claro que nenhuma empresa deseja ser fraudada e a melhor solução para manter o negócio seguro está na prevenção. Prevenir fraudes, na sua forma mais tradicional, demanda desenho de estruturas de monitoramento e de controle das atividades dos colaboradores nas transações organizacionais de acordo com o seu grau de sensibilidade.
Leia também: Confio que minha empresa está sendo fraudada. E agora?
É a partir dessa estrutura decorrem os custos de operação. Para grandes empresas, os recursos não são uma dor tão grande quando se trata de prevenção, mas a pergunta é:
COMO FAZER UMA GESTÃO CONTRA FRAUDES QUANDO TENHO RECURSOS LIMITADOS?
Em meio a crise, essa questão é relevante para qualquer tipo empresa, seja qual for sua atividade. E, por mais que esse desafio atinja a empresa como um todo, quem mais sobre com as dúvidas de como proceder são os empreendedores. Afinal, são eles quem têm que dividir os recursos do negócio em ações de marketing, comercial, administrativo, desenvolvimento de produtos e pessoas, entre outras tantas pautas na sua conturbada e exigente agenda.
O empreendedor acaba colocando todo o peso da decisão sobre seus ombros, porque, na maioria das vezes, ele tende a acreditar que está no controle de toda a operação e é o único que conhece as intenções de cada colaborador. O problema é que, com uma agenda atarefada e cheia de compromissos que parecem mais importantes do que criar um mecanismo para prevenir aquela-fraude-que-nunca-vai-acontecer, os empreendedores acabam não buscando os mecanismos e ferramentas para evitar ações nocivas em sua empresa.
Então qual seria a solução?
Em primeiro lugar, não estamos falando para o empreendedor delegar toda a tarefa para um outro setor. Essa preocupação genuína com a ética da empresa cria um ambiente de confiança entre os colaboradores, afinal, eles estão vendo o exemplo de um líder que realmente se preocupa com um assunto que afeta diretamente o seu dia a dia e a saúde do negócio.
NO CASO DE EMPRESAS QUE NÃO CONSEGUEM DISPONIBILIZAR RECURSOS PARA A PREVENÇÃO DE FRAUDES, A SAÍDA ESTÁ NA CONFIANÇA.
Isso mesmo, confiar em seus colaboradores é o oxigênio de qualquer empreendedor. Saber que seu time está agindo de forma ética é melhor do que qualquer calmante. Mas, claro, é importante lembrar que essa confiança não precisa e não pode ser cega!
Parafraseando Peter Schutz, ex-presidente da Porsche, o empreendedor deve “contratar o caráter e treinar as habilidades” de seus colaboradores e candidatos por meio de Testes de Integridade. Essa importante ferramenta não deve ser utilizada na tentativa de colocar o profissional em uma caixinha de “ético” ou “não ético”, tentar fazer isso é brincar de semideus.
Por outro lado, as empresas têm uma grande necessidade de buscar meios para analisar não apenas a capacidade técnica e intelectual dos seus colaboradores, tanto os atuais quanto dos futuros, como também a capacidade de discernimento e resiliência diante de dilemas éticos que eles podem sofrer ao longo de seu dia a dia profissional.
Diversas empresas no Brasil já têm empregado a prática de, no processo seletivo, aplicar um teste que diz muito sobre o potencial que o profissional possui para resistir às provações que são expostos em suas atividades. Para facilitar, vamos imaginar que você seja dono de um banco e esteja contratando um novo vendedor de seguros.
A pergunta para o candidato poderia ser: “Imagine que você foi contratado e está abaixo da meta de vendas do mês. Eis que entra uma nova cliente no banco e pergunta sobre sua indicação em relação a uma determinado seguro. Neste momento, você tem a oportunidade de fazer uma venda casada, bater a meta e ajudar a empresa a lucrar ou ser honesto com o consumidor e oferecer a proposta correta, correndo o risco de não alcançar seus objetivos. O que você faria?”. Se você quiser conhecer outros tipos de questões que pode ser usadas em testes de integridade, este programa pode te dar bons insights.
Endeavor

Confiança no seu negócio

O desejo urgente por um negócio bem sucedido e o medo de perder o negócio leva muitas boas pessoas a fazerem coisas desprezíveis.

Eu não estou falando de donos de cassinos, políticos ou corporações. Estou falando de bons donos de pequenos negócios que se tornam comerciantes.

Digamos que você tem um blog, escreve coisas boas e as pessoas gostam disso. E agora? Como você transforma isso em um negócio?

Talvez você olhe para as pessoas que fizeram milhões online: como eles fizeram isso? Marketing na Internet. Eles construíram listas de e-mails, manipularam essas listas através de táticas emocionais, provas sociais, criando uma falsa urgência, fazendo com que os clientes em potencial pensassem que eles precisavam daquilo ou iriam falhar.

Você vê esse sucesso e de repente você também quer isso. Você não sabe como construir um negócio, mas aquele cara fez e deu certo. Então você compra o curso dele e segue seus conselhos.

De repente o seu excelente blog está me empurrando para entrar em uma lista de correio eletrônico para receber um resumo das postagens gratuitamente. Há uma janela tentando fazer com que eu insira meu endereço de e-mail. Se eu fizer, passarei a receber todos os tipos de e-mails que eu não quero, tentando me empurrar para um funil. Você posta milhares de coisas nas mídias sociais tentando me fazer interessado na sua promoção.

Você começa a criar uma imagem que acha que eu quero, para que então eu compre o que você está vendendo. Agora você é um comerciante, um manipulador, desleal.

Eu clico para cancelar a minha inscrição.

O que teria acontecido se, em vez disso, houvesse confiança no seu negócio? Você teria criado algo de valor, acreditando que isso ajudaria as pessoas? Você teria feito o valor desse negócio e o quanto ele ajuda as pessoas as suas estatísticas.

Não teria feito nenhuma dessas coisas. Apenas teria criado coisas boas e as pessoas espalhariam isso por você. Você teria optado por simplicidade e confiabilidade.

A confiança é construída quando você coloca tudo que tem no que está sendo criado. Ao ouvir outras pessoas e ver se o que você está fazendo está ajudando, ressoando. Ajustando, se preciso. Aqueles que não vêm até você… Os deixe ir. O que você está construindo não é para todos.

O medo de perder o negócio sempre vai estar lá de alguma forma, mas não se deixe conduzir por ele.

Artigo originalmente publicado no blog Zen Habits e gentilmente cedido ao Portal Administradores pelo autor.

Link: http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/confianca-no-seu-negocio/77265 

Administradores/blog Zen Habits