Como blindar o orçamento em tempos de crise

Os três vilões que afetam o orçamento da família brasileira – inflação alta, desemprego (em alta no momento) e restrição ao crédito – devem se fazer presentes ao menos até o fim deste ano. A alta nos preços e a insegurança em relação à manutenção da renda já faz com que, principalmente, a classe média diminua os gastos. A troca da geladeira, do fogão e do carro ficou para depois. Mas, é possível manter o padrão de consumo pelo menos no supermercado?
Especialistas garantem que sim e sugerem algumas regras para equilibrar o orçamento de maneira que a rotina da família não seja afetada. “As pessoas acreditam que fazer planejamento é cortar gastos. Organização financeira é, na verdade, sinônimo de escolhas. Uma maneira de olhar o dinheiro de forma estratégica para gastar melhor o salário”, afirmou o professor Jurandir Sell Macedo, consultor de Finanças Pessoais do Itaú Unibanco.
Em uma situação de aperto econômico, a primeira coisa a fazer é acabar com alguns desperdícios, como desligar aquele freezer que está funcionando praticamente vazio, diminuir o tempo de banho e ir menos a restaurantes. “O importante é fazer o orçamento render sem mexer no lanche das crianças, por exemplo. Uma mudança na rotina alimentar pode trazer frustrações”, pontuou a educadora financeira, Dora Ramos.
Confira dicas dos especialistas para blindar o orçamento
1- Utilizar planilhas ou aplicativos de celular para anotar todos os gastos;
2- Não assumir nenhuma prestação nova;
3- Rever os planos de assinatura da TV a cabo e internet;
4- Repensar as despesas com transporte (trocar o carro por transporte público, por exemplo);
5- E substituir empregada doméstica mensal por uma diarista, que trabalhe uma vez por semana.
E, no supermercado…
6- Trocar produtos de marcas famosas por similares mais baratos (o que não significa de qualidade inferior);
7- Dar preferência às frutas da estação;
8- Trocar proteínas mais caras (como picanha) por carne menos nobre ou frango;
9- Pesquisar e comprar em lugares diferentes, aproveitando promoções;
10- E evitar adquirir alimentos industrializados.
Brasil Econômico

Deixe uma resposta