Prepare a empresa familiar para um recomeço

O tempo passa implacável para todos, sem negociar nada com ninguém. Este ano está indo embora para quem cumpriu todas as suas resoluções de Ano Novo e também para aqueles que estão deixando algumas ou todas elas para o próximo ano. E por falar em despedida…
Você está pronto para se despedir de um gestor, um sócio e um familiar? Bem, se são queridos, você com certeza não está pronto. Os amigos vão embora e nos deixam com saudades das boas conversas, dos ensinamentos, das intermináveis e repetidas estórias.
Se o gestor sai da empresa, ainda ficam os desafios de substituir suas habilidades e competências. Se um sócio vai embora, resta a dúvida sobre como será a caminhada sozinho ou com os sócios que ficaram. Se um familiar falece, quem fica vive o luto e o lamento pelo o que deixou de ser dito ou ouvido.
Como ficam aqueles que perdem, ao mesmo tempo, o gestor, sócio e familiar? A despedida já é dolorosa em si, mas se não houve o preparo de um sucessor nos negócios, quem fica terá que enfrentar o luto junto com a sensação de impotência por ter de fazer algo que desconhece. Nesse turbilhão de sentimentos, quem fica pode passar da incompreensão e chegar até a sentir raiva pela condição de despreparo para os negócios.
Surpreendentemente, poucas famílias se propõe a planejar e a se preparar para a despedida. São inúmeras as desculpas para evitar o assunto: “tenho saúde e muito tempo pela frente”; “isto é complicado, deixa que o tempo resolve”; “precisamos ver isto, quem sabe no ano que vem”; “meus filhos ainda são muito pequenos” – a lista é quase interminável.
Seria possível imaginar a despedida da perspectiva de quem se foi? Pais que deixam filhos brigando pela partilha dos bens ou na disputa por cargos e poder. Famílias que assumem negócios sem conhecimento sobre seus direitos e deveres na empresa. Negócios de alto potencial sendo vendidos a qualquer preço, justamente pela fala de conhecimento de quem acabou com a empresa nas mãos.
Isto tudo pode ser diferente. Basta preparo e planejamento, sem a espera de que o outra pessoa aparecerá para resolver tudo. É preciso reconhecer que podemos nos tornar indisponíveis independente de idade e saúde. Não podemos esperar o tempo para resolver essa questão.
PEGN

Deixe uma resposta